Depoimentos

A apresentação trazida por parte dos Embaixadores da Prevenção, com tema tão propício, atual e envolvedor, ainda mais pela forma e dinâmica com que foi exposto, deixou nossos funcionários boquiabertos e deveras encantados com o conteúdo e especialmente seu conhecimento.
   

 

CECOIA

Depois de ter participado do Embaixador Café, me despertou que posso fazer a diferença para ajudar a transformar a sociedade e acreditar no mundo melhor, sem vícios, sem drogas. Se plantarmos esta semente da transformação agora, na nova geração, e orientando a geração atual, deixaremos para as gerações futuras o mundo melhor que buscamos e acreditamos. Entretanto, para venver este desafio, cabe a cada um sentir-se um Embaixador e a peça fundamental da transformação ao multiplicar para a sociedade as virtudes da justiça, temperança, coragem, sabedoria, transcendência e humanidade.

EMERSON, Pai de aluno

Desde muito pequeno eu sempre compreendi a importância das virtudes, mas gostei muito do Embaixador Café porque é um momento em que podemos ver a importância das virtudes nas relações entre nós e percebemos que a união nos dá força para acharmos solução para tudo. Acho que as virtudes formam uma corrente. Em primeiro lugar, elas são o oposto do vício, ou seja, ajudam pessoas a sair do vício ou mesmo a não entrar neles. Em segundo, faz uma pessoa querer ajudar o seu próximo do mesmo jeito que foi ajudado. O Embaixadores da Prevenção está fazendo um ótimo e diferenciado trabalho para prevenir as pessoas do vício..

LUCAS TROYSE - jovem embaixador

Nossas crianças, sementes da mudança É impossível negar que o país tem passado por tempos difíceis. Nosso povo, em geral inculto e mal orientado, tem sofrido constantes bombardeios de incentivo à falta de educação e compromisso com o trabalho e a cidadania. Como pedir ao povo que se esforce nos estudos se há poucos anos nosso Presidente da República tinha um grau de instrução no mínimo duvidoso? Como ensinar honestidade a um povo que é constantemente roubado por seus próprios governantes? Como pedir que se esforcem e trabalhem duro se muitos dos que não o fazem são premiados com benefícios como o bolsa- família e auxílio-reclusão? Muitas vezes me peguei olhando para o futuro e enxergando-o negro. Onde encontrar a luz no fim deste túnel? É difícil avaliar as chances de nossa sociedade sem se assustar. Apesar disso, surpreendentemente, tenho me deparado com fatos que me fazem crer que nada está perdido e que ainda podemos manter a esperança. Frequentemente, tenho observado que nossas crianças, quando conseguem um mínimo de acesso à boa educação, têm se mostrado acima das expectativas. Bem orientadas, entendem e absorvem facilmente as atitudes corretas, respeitando a natureza, as pessoas, os ambientes. Vejo meus filhos e seus amiguinhos, devidamente treinados por seus pais e educadores, separarem lixo reciclável, economizarem água e luz, exigirem respeito aos sinais de trânsito e serviços preferenciais, auxiliarem os mais velhos ou deficientes, evitarem o bulling, rejeitarem as drogas. Estas crianças, prováveis futuros dirigentes da nação, são, sem dúvida, nossas sementes da mudança. Só precisam ser devidamente regados com boas oportunidades e adubados com bons exemplos. Se, neste momento, o país não pode lhes dar estas condições, cabe a nós tentarmos oferecê-las ao máximo de crianças possível. Desta forma, cuidando bem destas sementinhas, tornando-as fortes e virtuosas, podemos descansar na certeza de que, um dia, apesar das dificuldades, teremos um Brasil (e um mundo) muito melhor!

Carla Octaviani Vice-Presidente